António Ferro

Um Homem por Amar

António Ferro

Um Homem por Amar
Entre o real e a ficção, Rita Ferro constrói uma narrativa em torno do seu avô, um homem que não deixou ninguém indiferente.

António Ferro, extraordinária e controversa personalidade do século XX português, morre um ano depois de a neta Rita nascer. Todavia, a mancha matizada que lhe sobrevém quando o evoca, gerada por tudo o que foi ouvindo e conjecturando ao longo de décadas dentro da família, bastaria para que alguém na sua circunstância - romancista, descendente directa e utilizadora privilegiada do espólio da família - se sentisse mais do que tentada a concorrer com a sua própria ideia do Avô, acrescentando outro frescor e outra vivacidade aos vastos e especulativos estudos, quase todos politizados, que têm sido publicados, traçando uma perspectiva do seu lado mais íntimo e humano, a ideia de que ninguém é todo bom ou todo mau, como na má literatura. 
Não se trata de uma biografia e menos ainda de um romance histórico, embora a narrativa não deixe de seguir os cânones de uma história, a tensão de uma novela e a imprevisibilidade de um romance.
Bem-humorado, carinhoso, imprevisível e indiscreto – mas não inocente – este livro, em que os anacronismos são deliberados é composto por um conjunto de frescos avulsos sobre o lado menos público de António Ferro, inspirados em factos reais, terminando com um lote de correspondência inédita.
Ler mais

Os ebooks e audiobooks mais populares disponíveis na subscrição Kobo+e_Leya.

eBook
€ 13,99
Comprar
Ano de Edição / Impressão / 2016
Número Páginas / 544

Dimensões / 235 x 34 x 155 mm
ISBN / 9789722061537
Editora / DOM QUIXOTE
Autor
RITA FERRO
Rita Ferro nasceu em Lisboa, em 1955. Estudou Design, especializou-se em Marketing, foi professora de Publicidade e exerceu funções de direcção e consultoria em diversas empresas. Iniciou a sua carreira literária em 1990, arriscando um novo tipo de escrita feminina que, tendo obtido um enorme êxito e revolucionado o mercado literário português, conheceu inúmeros seguidores. Criou um estilo e, com ele, um novo género. Distingue-se por uma técnica de narração mordaz e cativante, de grande versatilidade. Ao longo de trinta anos, escreveu romances, cartas, biografias, livros de crónicas, literatura juvenil e peças de teatro. Além de jurada literária e de festivais de cinema, é presença regular na imprensa, na rádio e na televisão. Em 2009, integrou o conselho consultivo da recém-criada Fundação António Quadros, Cultura e Pensamento, dedicada à memória de seu pai e de seus avós. Ao seu romance biográfico A menina é filha de quem? (2011) foi atribuído o prémio PEN Clube Português de Narrativa. Um Amante no Porto (2018) é o seu mais recente romance.