Sinopse
Nos anos 30, com o aumento em massa de suicídios entre os jovens universitários em Viena, um jovem psiquiatra austríaco propôs uma terapia inovadora: ajudar os estudantes a encontrar um sentido para a vida. Nascia assim a Logoterapia, que o autor comprovou de forma terrível no campo de concentração de Auschwitz: os prisioneiros que sobreviviam não eram os mais fortes fisicamente, mas aqueles que vislumbravam um sentido para a existência.
Viktor E. Frankl, que relataria a sua experiência no livro O Homem em Busca de um Sentido, assistiu no pós-guerra ao crescimento económico da Europa e previu que, à medida que as pessoas vissem as suas necessidades básicas satisfeitas, começariam a esquecer-se do sentido da vida, e que isso acabaria por levar a um enorme vazio existencial. Neste livro (textos de 1947 a 1977) o autor vem contrariar esse vazio reafirmando os valores humanistas que se foram perdendo. O autor procura (re)encontrar o que temos de mais humano em diferentes expressões da cultura humana. Percorre a filosofia, a moralidade, mas também temas fulcrais para a psicologia , como o sexo ou a literatura, à procura daquilo que faz de nós humanos.
A Voz que Grita por um Sentido quer devolver um rosto humano à psiquiatria e evidenciar o que cada um de nós tem de único e individual. E reforça a crença do autor de que num mundo confuso, só em nós próprios encontraremos um farol e um rumo para a vida.
Ler mais Ler menos

Detalhes

  • ISBN: 9789892350981
  • Editora: LUA DE PAPEL
  • Ano de Edição / Impressão: 2021
  • Dimensões: 234 x 156 x 12 mm
  • Páginas: 176