Morte Assistida

Temos o direito de escolher a forma como morremos?

Morte Assistida

Temos o direito de escolher a forma como morremos?
Maria, 67 anos, morreu com a ajuda da Dignitas, na Suíça. Foi a primeira portuguesa a recorrer a esta associação de apoio ao suicídio assistido. Tinha um cancro em fase terminal, um prognóstico de menos de 12 meses de vida e passava por um grande sofrimento. Preferiu procurar uma morte digna, em vez de esperar e «desaparecer aos bocados». Dois amigos, próximos da família, acompanharam-na nesta derradeira viagem e testemunharam os seus últimos momentos. Este livro relata a história de Maria através destas duas pessoas – o que os levou a acompanhar a amiga, apesar de nunca terem ouvido falar de suicídio assistido, e o que sentem por terem de guardar esse segredo como se tivessem cometido um crime.
Morte Assistida conta ainda com o testemunho de outros portugueses que se confrontam diariamente com a iminência do final da vida. Alguns não têm perspectiva de recuperação, restando-lhes apenas um tratamento paliativo, e todos gostariam que a morte assistida fosse legislada e despenalizada em Portugal. No nosso país, o incitamento ou ajuda ao suicídio é penalizado com pena de prisão até três anos. Portugal também é dos poucos países da Europa que não tem uma associação right-to-die, que defenda os direitos dos doentes e a liberdade de escolha no fim de vida.
Ler mais
€ 9,73
PVP   € 13,90
Poupe € 4,17 (30%)
Na compra do livro leve também o eBook por apenas € 2,49
Comprar

eBook
€ 9,99
Comprar
Ano de Edição / Impressão / 2013
Número Páginas / 200

Dimensões / 236 x 14 x 156 mm
ISBN / 9789895559817
Editora / OFICINA DO LIVRO
Autor
Lucília Galha, 28 anos, natural de Évora, é jornalista da revista Sábado desde 2009, começando por integrar a secção de Política e, depois, a de Sociedade. Licenciou-se em Ciências da Comunicação, variante Jornalismo, na Universidade Nova de Lisboa. Esteve em Siena, Itália, durante um semestre pelo programa Erasmus, onde colaborou com a rádio universitária local. Iniciou-se no jornalismo em 2006, no jornal Público, e passou também pelo diário Metro.