BIS - Máscaras de Salazar

Livro de bolso

BIS - Máscaras de Salazar

Livro de bolso

Máscaras de Salazar é a recriação de uma crónica pessoal a partir de testemunhos, de diálogos, de declarações, de conferências, de segredos que Fernando Dacosta teve com vários protagonistas (e opositores) do Estado Novo, inclusive Salazar. Para julgar é preciso compreender. Daí o contributo deste livro, memórias de gerações de pessoas convictas de um desígnio que foi morrendo com elas. É urgente reter a palavra, o testemunho com que influenciaram para sempre o nosso presente e futuro.


Fernando Dacosta nascido em Angola é romancista, dramaturgo, conferencista e jornalista. Fixado em Lisboa, cursa Letras e inicia-se no jornalismo e na literatura. Integrou as redacções de Flama, Diário de Lisboa, Diário de Notícias, O Jornal, Público e Visão. Tem mais de 25 obras publicadas entre as quais se destacam a peça Um jipe em segunda mão, sobre a guerra colonial (Prémio de Teatro da RTP, da Associação Portuguesa de Críticos, da Casa da Imprensa), o romance O Viúvo (Grande Prémio Círculo de Leitores-Ler), as narrativas Moçambique, todo o sofrimento do mundo (prémios Gazeta e Fernando Pessoa), Os Retornados mudaram Portugal (Prémio Clube Português de Imprensa), Máscaras de Salazar e Os Mal-Amados, e o álbum Salazar: Fotobiografia. Em 1995 foi agraciado com a Ordem do Infante D. Henrique e, em 2013, eleito sócio-correspondente da Academia das Ciências de Lisboa.

Ler mais
Ano de Edição / Impressão / 2012
Número Páginas / 368

Dimensões / 190 x 18 x 125 mm
ISBN / 9789896602086
Editora / LEYA
Autor
Nascido em Luanda, de onde foi em criança para o Alto-Douro, Fernando Dacosta fixou-se depois em Lisboa iniciando-se no jornalismo e na literatura. Integrou redacções de órgãos de comunicação como Flama, Diário de Lisboa, Diário de Notícias, O Jornal, Público, Visão. 
Foi director dos Cadernos de Reportagem. Tem mais de 25 obras publicadas entre as quais se destacam a peça Um Jipe em Segunda Mão, sobre a guerra colonial (Grande Prémio de Teatro RTP e prémio da Associação Portuguesa de Críticos de Teatro), os romances O Viúvo (Grande Prémio Círculo de Leitores/Ler), Os Infiéis, as narrativas Moçambique, Todo o Sofrimento do Mundo (prémios Gazeta e Fernando Pessoa), Máscaras de Salazar, Os Retornados Mudaram Portugal (Prémio Clube Português de Imprensa), O Botequim da Liberdade e Viagens Pagãs.
Em 1995, recebeu a Ordem do Infante D. Henrique e, em 2013, eleito sócio-correspondente da Academia das Ciências, Secção de Letras, de Lisboa.