O Lobo das Estepes

letras_leya
17
Letras

O Lobo das Estepes

Originalmente publicado em 1929, O Lobo das Estepes continua a marcar a nossa alma como um clássico da literatura moderna. Harry Haller é o lobo das estepes: selvagem, estranho, tímido e alienado da sociedade. O seu desespero e desejo pela morte atraem-no para um submundo encantado e sombrio. Através de uma série de encontros obscuros - alternadamente românticos, bizarros e selvagens - o misantropo Haller começa gradualmente a redescobrir os sonhos perdidos da sua juventude. Este retrato acelerado de um homem que se sente ele próprio meio-humano, meio-lobo tornou-se a bíblia da contracultura da década de 1960, capturando o humor de uma geração descontente e continua, até hoje, a ser uma história de alienação e redenção humana.


Hermann Hesse (1877/1962). Distinguido, em 1964, com o Nobel da Literatura, tornou-se uma verdadeira figura de culto, uma referência universal ancorada na exaltação que faz do indivíduo e na celebração de um certo misticismo oriental. Peter Camenzind é o seu primeiro romance, Siddhartha o resultado de uma visita à ìndia, é o seu livro mais lido em todo o mundo. Entre os seus romances, incluem-se O Lobo das Estepes, Narciso e Goldmundo e O Jogo das Contas de Vidro. Explorando sempre o dualismo entre a vida activa e a atitude contemplativa, Hermann Hesse é, a par de Thomas Mann e Franz Kafka, um dos nomes maiores das letras germânicas do século XX.

Ler mais
€ 16,60
Na compra do livro leve também o eBook por apenas € 2,49
Comprar

eBook
€ 11,99
Comprar
Ano de Edição / Impressão / 2013
Número Páginas / 268

Dimensões / 235 x 18 x 157 mm
ISBN / 9789722053068
Editora / DOM QUIXOTE
Autor
Hermann Hesse nasceu a 2 de julho de 1877, na Alemanha, e morreu a 9 de agosto de 1962, na Suíça.
Distinguido, em 1946, com o Nobel da Literatura, tornou-se uma verdadeira figura de culto, uma referência universal ancorada na exaltação que faz do indivíduo e na celebração de um certo misticismo oriental.
Peter Camenzind, o seu primeiro romance, data de 1904. Uma visita à Índia fê-lo descobrir uma cultura e um novo modo de sentir que o fascinaram: Siddhartha (1922) foi o fruto dessa experiência, sendo o seu livro mais lido em todo o mundo.
Durante a Primeira Guerra Mundial, refugiou-se na Suíça, país neutro, onde adquiriu a respetiva nacionalidade, em 1923.