Não Chames Noite à Noite

Promo
10%
Brinde

Não Chames Noite à Noite

«Afinal, ninguém sabe nada sobre ninguém. E ainda por cima, do que menos se sabe é do amor.»

Em Tel Keidar, uma pequena cidade situada junto ao deserto do Neguev, a morte brutal de um jovem adolescente, possivelmente por overdose, vai interferir no equilíbrio íntimo do casal Theo e Noa, fragilizado pela diferença de idades, pela ausência de filhos, pelo tédio e pela incomunicabilidade. 
Com um virtuosismo inexcedível, Amos Oz faz alternar essas duas vozes narrativas, a de Theo e a de Noa, juntando-lhes ainda a do narrador, cronista anónimo que por vezes cede a palavra ao «coro» dos habitantes da cidade. Assim, como que reunindo progressivamente todas as peças de um puzzle, o autor revela-nos a intimidade mais profunda de dois seres, ao mesmo tempo que retrata as tensões de uma pequena comunidade, recheada de personagens excessivos e pitorescos.

Não Chames Noite à Noite é uma preciosa sinfonia de humanidade em que Amos Oz explora com incomparável discernimento as possibilidades – e os limites – do amor e da tolerância.
Ler mais
€ 13,95
PVP   € 15,50
Poupe € 1,55 (10%) Comprar

eBook
€ 9,89
PVP   € 10,99
Poupe € 1,10 (10%) Comprar
Novidade / -10% Promoção válida de 2019-10-30 a 2020-02-05
Ano de Edição / Impressão / 2019
Número Páginas / 272

Dimensões / 235 x 19 x 156 mm
ISBN / 9789722069106
Editora / DOM QUIXOTE
Promoções Ativas: Oferta de portes CTT48 Novidades
Autor
OZ, AMOS
Amos Oz nasceu em Jerusalém, em 1939. Reside atualmente em Arad, onde se dedica à militância a favor da paz entre palestinianos e israelitas, e é professor de literatura na Universidade Ben-Gurion, no deserto do Negev. Escritor e jornalista, é autor de uma vasta obra que inclui romances e ensaios traduzidos em mais de trinta línguas. É, desde 1991, membro da Academia da Língua Hebraica.
Os seus livros têm recebido as mais importantes distinções internacionais, incluindo o Prémio Femina (1988), o Prémio da Paz dos Livreiros Alemães (1992), o Prémio Israel de Literatura (1998), o Prémio Goethe (2005), o Prémio Príncipe das Astúrias (2007) e o Prémio Franz Kafka 2013.