O Rio Triste

O Rio Triste

«Talvez O Rio Triste seja o mais polifonicamente ambicioso e [...] o mais arrebatadoramente conseguido de quantos romances Fernando Namora [...] escreveu.»
David Mourão-Ferreira 

«Um romance que nos fala de tudo, desde o amor, a morte, os problemas políticos da guerra colonial, da emigração, da resistência, até aos mais íntimos meandros da criação literária, ultrapassando, no entanto, os temas para nos falar deles de todas as maneiras, indo da rede épica mais clássica – o enigma policial – à pura poesia, como nas cartas de Marta 
e nas páginas do diário de Cecília.»
Roxana Eminescu
Ler mais
Ano de Edição / Impressão / 2017

Dimensões / 235 x 23 x 157 mm
ISBN / 9789722128216
Editora / CAMINHO
Autor
Fernando Namora nasceu em Condeixa (15 de abril de 1919) e licenciou-se em Medicina na Universidade de Coimbra. 
É no ambiente coimbrão, sobretudo no meio estudantil, que as suas primeiras obras radicam, com destaque para Fogo na Noite Escura, que conforma com verdade e rigor o ambiente universitário dos anos 40. A experiência como médico de província acentuou-lhe um verdadeiro conhecimento do povo, sobretudo camponeses, mineiros, vagabundos, que são a base antropológica e social das suas mais fortes personagens nas suas ficções dessa época. Mais tarde mudou-se para Lisboa e fez parte do corpo clínico do Instituto de Oncologia, tendo a vida da grande cidade e do mundo também como matéria de outros livros decisivos, como Domingo à Tarde, Diálogo em Setembro, Os Adoradores do Sol, Os Clandestinos e Estamos ao Vento, eleito livro do ano 1974, ou Sentados na Relva.
Fernando Namora é um dos mais destacados criadores do neorrealismo, a que deu uma feição peculiar, sobretudo quando a sua arte absorve, renova, a mais genuína tradição picaresca peninsular ou as experiências da modernidade. 
Fernando Namora foi galardoado com prémios tão relevantes como o José Lins do Rego, o Prémio Ricardo Malheiros, da Academia de Ciências de Lisboa, os SOPEM e D. Dinis, entre vários. Foi proposto para o Prémio Nobel de Literatura, em 1981, pela Academia das Ciências de Lisboa e pelo PEN Clube, e agraciado com o Grande Oficialato da Ordem de Santiago e com a Grã Cruz da Ordem do Infante Dom Henrique em 1988. Fernando Namora morreu em 31 de janeiro de 1989.
Ofereça livros perfeitos
Ofereça livros perfeitos Fale-nos sobre a pessoa a quem quer oferecer livros.
O resto é por nossa conta.
Ofereça livros perfeitos