Querida Ijeawele

Como educar para o feminismo
letras_leya
8
Letras

Querida Ijeawele

Como educar para o feminismo
Quando uma amiga lhe perguntou como devia educar a filha como feminista, Chimamanda Ngozi Adichie respondeu com uma carta: Querida Ijeawele...
Neste texto intimista, a escritora faz 15 sugestões. O seu objetivo? Fortalecer as novas gerações de mulheres e proporcionar-lhes ferramentas para crescerem com um maior sentido de identidade e independência. Da aparência à parentalidade, do casamento à sexualidade e até mesmo à escolha dos brinquedos na infância, a autora explora temas fundamentais e incita as mulheres a desprenderem-se dos velhos mitos. É uma das vozes mais poderosas que se erguem num debate que não é apenas importante - é necessário e urgente. 
Querida Ijeawele é um texto curto mas repleto de sabedoria. Um manifesto sobre o feminismo que não é apenas para mulheres. Porque o feminismo não pressupõe a exclusão dos homens. Pressupõe a igualdade de direitos para todos. Com humor, inteligência e compaixão, Chimamanda Ngozi Adichie reflete sobre o que significa ser mulher nos dias de hoje, numa obra que promete ser revolucionária... e que pretende apenas um mundo mais justo.
Ler mais

Os ebooks e audiobooks mais populares disponíveis na subscrição Kobo+e_Leya.

eBook
€ 5,99
Comprar
Ano de Edição / Impressão / 2018
Número Páginas / 96

Dimensões / 181 x 06 x 120 mm
ISBN / 9789722064309
Editora / DOM QUIXOTE
Autor
Chimamanda Ngozi Adichie cresceu na Nigéria. A sua obra está traduzida para mais de trinta línguas. É autora dos romances A Cor do Hibisco, vencedor do Commonwealth Writers’ Prize e do Hurston/Wright Legacy Award; Meio Sol Amarelo, vencedor do Orange Prize e finalista do National Book Critics Circle Award; Americanah, vencedor do National Book Critics Circle Award e Livro do Ano do New York Times, Washington Post, e Chicago Tribune, entre outros; da coletânea de contos A Coisa À Volta do Teu Pescoço, e do ensaio Todos Devemos ser Feministas. Em 2008, recebeu a prestigiada bolsa da MacArthur Foundation. A escritora divide o seu tempo entre a Nigéria e os Estados Unidos.